sexta-feira , 16 novembro 2018
Home / Comportamento / Decepção com influenciadores digitais é questão de tempo

Decepção com influenciadores digitais é questão de tempo

Temos observado um crescente número de pré-adolescentes e adolescentes completamente fascinados pelos youtubers e afins. São literalmente seguidores desses outros adolescentes que não tem muito à acrescentar. O que leva essas crianças a se projetarem em “ídolos”, que não são ídolos? Seria essa a comprovação de uma sociedade doente? Estariam as pessoas com tanta solidão, com tanta falta delas nelas mesmas, que se projetam em “sub-celebridades” absolutamente ocas?

Percebemos tais comportamentos inclusive dentro da religião. Citarei a Umbanda como exemplo. Agora é moda ser “Ogã”. O indivíduo mal sabe o que está fazendo, não tem nenhum preparo, mas está fazendo vídeos na internet cantando e tocando, para tentar (numa forma desesperada de fugir da realidade) se sentir “importante”, “admirável” ou “famoso”. O que gera esse desespero por atenção? O foco da pessoa não é aprimorar seus talentos e suas capacidades. Não estão preocupados em estudar, em se desenvolver intelectualmente. Querem reconhecimento de forma fácil, sem esforço pessoal. O pior não é existirem tais pessoas com esses transtornos psicológicos. O pior é existirem seguidores.

Achei essa reportagem bastante interessante e resovi compartilhar para reflexão.

Decepção com influenciadores digitais é questão de tempo

“Converse com qualquer marqueteiro e há grandes chances de você ouvir a palavra “influenciador” em algum momento. Em geral ela se refere a algum tipo de celebridade da internet capaz de modificar a opinião alheia, levando a pessoa a comprar algo, mudar um comportamento ou até sua visão sobre algum assunto. Até o governo federal foi recentemente flagrado contratando o serviço de “influenciadores” no YouTube para elogiarem mudanças promovidas no ensino médio.

Só que a vida de influenciador não é fácil. Celebridades “tradicionais” usualmente são associadas a habilidades específicas, tais como cantar, dançar ou representar. Já influenciadores são reconhecidos por ações mais cotidianas, como ensinar a usar maquiagem ou jogar videogames. Grande parte conquista fãs não por dominar alguma habilidade mas por projetar seu ego na internet.

Isso gera um paradoxo. A ascensão de um influenciador funda-se na sua disponibilidade: o desejo dos fãs de interagir com ele, de serem notados, reconhecidos. É uma via de mão dupla: os fãs não querem apenas assistir, mas interagir.

Isso torna a fama contemporânea na internet altamente instável. Muitos influenciadores são na verdade apaziguadores da solidão alheia. Atuam como elos na multibilionária indústria da carência criada pela internet. Indústria essa que decorre do grande número de pessoas querendo falar e do diminuto grupo de pessoas disposto a ouvir. O influenciador ocupa esse lugar utópico entre a fala e a escuta. É celebridade justamente por aparentar ser “gente como a gente”, capaz de ouvir e compreender o outro.

Só que essa é uma situação utópica. Não há condições verdadeiras para a troca, já que a desproporcionalidade é grande demais. A relação entre fãs e influenciadores rapidamente torna-se insatisfatória: frustração e decepção são questão de tempo. O que era empatia converte-se rapidamente em ódio. Não é por acaso que todo influenciador que desponta precisa inventar formas de gerenciar não só os fãs (carentes) como os detratores (“haters”), muitos deles originados na descoberta de que estavam envolvidos em uma relação de troca impossível.

Para reduzir essa disparidade, seria necessário concretizar o desejo do poeta W.H. Auden, quando diz em seu belo poema “The more loving one” que: se “não se pode ter paixões iguais, então que seja eu quem ame mais”. Só que esse tipo de grandeza só existe no terreno da poesia. Na internet, o fã frustrado vira rapidamente “the more hating one”. É muito mais fácil odiar do que amar sozinho.

Isso denota um ponto cego no fascínio do marketing com o poder dos influenciadores. Esse fascínio desconsidera a permanente instabilidade das celebridades da internet. Ignora também a ausência de bases científicas para a existência do influenciador individual. Do ponto de vista científico, o “influenciador” individual é como um amigo imaginário: conveniente, mas não existe.”

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/ronaldolemos/2017/03/1863910-decepcao-com-influenciadores-e-questao-de-tempo.shtml

 

Comentários

comentários

About Carlos M Jr. (Caju)

Leonino com ascendente em Sagitário. Estudo e me interesso por mediunidade, espiritualidade, astrologia, esoterismo, Umbanda, psicologia, parapsicologia, comportamento, religiões, orixás, ocultismo, oráculos, filosofia e mais uma dezenas de temas. :-)